Quer começar 2022 como investidor? Seis passos para investir do zero!

investimento

investimento

Períodos de crise podem gerar oportunidades que transformam vidas. Se essa frase faz sentido para você e para seu momento, é provável que tenha estado em seus pensamentos recentes organizar suas finanças para investir a partir do ano que vem. E sim, é possível aprender e se tornar um investidor mesmo que sua situação atual financeira dependa de alguns ajustes.

A pandemia de Covid-19 provocou um abalo na economia mundial. Com a quarentena, fechamento de estabelecimento e restrição de circulação de pessoas, muitas empresas enxugaram seu quadro de pessoal, outras fecharam as portas. A taxa média de desemprego no Brasil, conforme o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), está em 13,5%. Para se ter uma ideia, esse percentual era de 11,9% em 2019, antes da pandemia.

Ao mesmo tempo, só cresce a quantidade de pessoas que investem no país. Em novembro deste ano, a B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, revelou que chegou à marca de 4 milhões de conta de pessoas físicas em renda variável inscritas na instituição. Em CPFs únicos, o volume é de 3,4 milhões de pessoas, já que há possibilidade de um mesmo CPF ter mais de uma conta inscrita na B3.

Esses dados mostram uma nova realidade surgindo no Brasil, a de pessoas que buscam tomar o controle da própria vida financeira. Para que essa trilha desse caminho em busca da estabilidade financeira seja sólida, é preciso adotar algumas medidas simples, mas fundamentais. E mostraremos algumas dicas que serão valiosas.

A trilha passa por seis passos, que envolvem a construção de seus objetivos, avaliar a situaçãode suas finanças atualmente, traçar metas de pequeno, médio e longo prazos, ajustar as contas para ter uma reserva de investimento, aprender a diversificar seus aportes e ter a informação como aliada.

1 – Objetivos

Antes de tomar as decisões que impactarão definitivamente na sua vida financeira, você precisa desenhar seus objetivos. O autoconhecimento e informações do mercado são fontes valiosas para que os passos sejam dados em terreno firme, não arenoso, nessa trajetória de investidor.

O mundo dos investimentos é diversificado, com espaços para vários tipos de perfil. Há aqueles que são arrojados, outros são cautelosos. Apostar em ações é saber que pode haver um retorno mais imediato, porém há riscos. O mercado de criptomoedas tem crescido no Brasil e se tornou uma alternativa interessante para investir. Ou você acredita que apostar em ativos no Exterior pode servir para seu perfil.

A partir dessa definição, que passa pelo autoconhecimento financeiro e pelo panorama de mercado, você traça suas metas e desejos. Sonhar é sempre importante neste momento, mas tenha em mente que atingi-los leva tempo, dedicação, esforço. Tão importante quanto sonhar é construir o planejamento de como chegar lá.

 

2 – Conhecer e organizar suas finanças

Passada a fase de desenho do planejamento futuro, é hora de olhar para realidade atual. Sim, a pandemia impactou fortemente a economia, causou tensão nos preços, aumentou a inflação no país, fez subir o custo de vida a partir do reajuste de série de itens. E você chegou ao fim de 2021 com as contas ajustadas, mas sem muita ou nenhuma capacidade de investir – seja em um negócio próprio ou em uma cartela de investimentos. Calma, é possível projetar um 2022 com mais otimismo.

Com tempo e tranquilidade, coloque em uma planilha todos seus gastos. Todos eles. Identifique-os, fazendo uma listagem de custos variáveis e fixos. Ao ter os números claros, você conseguirá identificar melhor onde pode agir para reduzir despesas, realocar o dinheiro e abrir margem para um fôlego financeiro que projetará novos caminhos para o ano que vem.

Essa planilha trará sua realidade financeira atual de uma forma mais clara e será vital para organização do planejamento de investimentos. Existem despesas fixas e indispensáveis, como água, luz, gás, alimentação. Outros que podem, temporariamente, saírem do horizonte para abertura de folga no orçamento. Evidentemente que é possível agir nos custos fixos, buscando economizar no dia a dia. Mas as despesas variáveis costumam trazer itens que, muitas vezes, não utilizamos. Quem nunca se deixou levar por uma promoção e assinou um pacote de um produto por impulso e que, agora, não utiliza? Exemplo é a oferta de streamings. A diversidade desse ramo criou competitividade e gerou promoções para atrair clientes. E você assinou mais de um. Tem assistido assiduamente todas elas? Se não, cortá-las ou reduzi-las da lista de despesas é algo interessante como ponto de partida.

Nesse tópico é importante lembrar que o começo do ano costuma chegar com uma série de gastos adicionais. IPVA, IPTU, matrícula na escola de seus filhos, material escolar e outros impostos têm de estar previstos nesse planejamento para que os primeiros passos não sejam dado em falso.

Outro ponto em mente:  o ajuste nas despesas precisa estar condizente com o planejamento inicial, com seus objetivos traçados. Cortar pequenas despesas e projetar um investimento alto inicial não cabe na mesma frase.

3 – Traçar metas de pequeno, médio e longo prazos

Se você conseguiu cumprir com êxito as duas etapas anteriores, tem em mãos um bom caminho traçado no olhar para frente. O planejamento financeiro é essencial para a construção de uma cultura empreendedora, de investimentos. Sem isso, suas apostas se tornam pesadelos.

Evidentemente que em toda jornada de um investidor e empreendedor haverá ganho e perda. A vida nos ensina que a resiliência é uma característica presente em vários episódios de sucesso. E ter um planejamento financeiro adequado, conhecedor de suas realidades atuais e também de seu perfil minimiza a dor que eventualmente apareça no seu caminho. Essa base permitirá que obstáculos sejam ultrapassados para que seu sonho seja algo atingível.

Outro item importante nessa caminhada é traçar metas de pequeno, médio e longo prazos. Isso vale para o investidor, para o empreendedor e para os dois juntos.

Geralmente esses grupos são divididos da seguinte forma:

Metas de pequeno prazo duram até dois anos;

Metas de médio prazo duram até cinco anos;

Metas de longo prazo duram de cinco a dez anos (e até mais, se as duas primeiras etapas andarem conforme o planejamento inicial);

Essa divisão vai além da estratégia financeira de seu investimento. Ela age diretamente no seu emocional. Um erro comum de quem investe é não ter a real noção do retorno do dinheiro aplicado. Nos primeiros sinais de estagnação, muitos retiram as aplicações e gastam em outros itens supérfluos. Há também os que deixam de fazer a reserva mensal essencial para outras despesas.

Portanto, ter metas de curto prazo no começo do investimento atua como fator motivacional. E servem para balizar o andamento da segunda e terceira etapas.

As metas de médio prazo significam que uma cultura de investidor está presente no seu planejamento financeiro. As de longo prazo, que você é um investidor nato, sabedor da importância que movimentos iniciais têm para a construção de um patrimônio no futuro. Elas indicam que você costuma pensar à frente, mapeando riscos e oportunidades, com uma base sólida para saltos maiores.

4 – Sempre reserve recursos para investimentos

Você chegou à fase das metas de longo prazo, ultrapassou as duas iniciais com muito êxito e tem visto seus rendimentos subirem e trazem um retorno que esperava – ou até além disso. É hora, então, de desafrouxar os cintos e viver apenas desses lucros, certo? Errado.

A cultura do investidor tem de ser presente, perene e constante. É sempre preciso reservar recursos para novos investimentos – ou reinvestimento. Evidentemente que se você chegou a essa etapa, quer usufruir de benefícios. Aquela fase de cortes de despesas, de economia, para abrir margem no orçamento quando as contas estavam em seu limite ficou para trás e é permitido –e recomendável – que as conquistas sejam celebradas. Comemorá-las, porém, não significa esquecer todo esforço e todo planejamento traçado para alcançar essa etapa financeira.

O aporte inicial feito lá atrás trouxe rendimentos adicionais às suas finanças. Mas esse acréscimo não representa aumento automático em seu patrimônio. Esses dois setores precisam caminhar juntos, e para isso a continuidade de investimentos é indispensável.

5 – Nunca fique preso a um só investimento

Não existe galinha dos ovos de ouro que dure para sempre. A história tem inúmeros casos de empresas e empresários que ficaram para trás por acreditarem que seus modelos de negócio jamais sofreriam abalos. Uma das mais conhecidas é protagonizada por John Antioco, ex-CEO da Blockbuster. 

Até o começo do milênio, a Blockbuster era a gigante no ramo de locação de filmes, com milhares de franquias no mundo. O negócio prosperava, caminhava sozinho, a ponto de seus diretores ignorarem futuras ameaças de concorrência. Em setembro de 2000, Antioco teve uma reunião com Marc Randolph, Reed Hastings e Barry McCarthy, que estavam à frente de uma empresa que prometia ser disruptiva no mercado de filmes: a Netflix. O trio explicou o modelo, projetou o tamanho do impacto na realidade e ofereceu a empresa por US$ 50 milhões a Antioco.

Randolph, em seu livro That Will Never Work, relata que a Netflix enfrentava dificuldades operacionais porque, àquela época, a aposta era em aluguel de DVD por correio – no começo dos anos 2000, a internet banda larga era realidade para poucos, o que inviabilizava a criação do sistema de streaming como conhecemos atualmente. Na reunião, segundo Randolph, Antioco mostrou desdém com a apresentação. Ele relatou, inclusive, que o dirigente da Blockbuster se segurava para não rir da proposta. 

O cenário atual todos sabem: a Blockbuster quebrou anos depois e a Netflix tem valor atual de mercado de US$ 291 bilhões.

Essa história ilustra que é preciso diversificar nos investimentos. Se você tem perfil de investidor em ações, precisa ter uma cartela que permita rendimentos apesar de fatores externos. Se aposta em criptomoedas, que sua carteira também seja variada. 

 

6 – Informação é arma

Vivemos em um tempo em constante transformação. E saber identificá-las e aproveitar o lado certo que o vento sopra são características importantes para construção de cultura de investidor.

O exemplo da Blockbuster citado no tópico anterior pode ser replicado para mostrar como o poder da informação pesa em tomadas de decisão. Há casos disruptivos nas mais variadas áreas do nosso cotidiano. Antes pedíamos táxi, agora existe série de aplicativos de transporte individual. As compras do mês no supermercado podem ser feitas pelo celular. Por falar no celular, a comunicação entre as pessoas é um dos pontos que mais registram alterações nas últimas décadas.

Reserve tempo do seu dia para se informar. Se você é investidor da Bolsa de Valores, deve saber que as mínimas mudanças de humor na política ou na economia – no Brasil ou lá fora – podem gerar perdas ou ganhos nas ações. Estar bem informado também aguça o feeling sobre os investimentos. Permite, por exemplo, a dar passos mais ousados, no contrafluxo do mercado, e ver os rendimentos saltarem quando ninguém espera.

As seis etapas são um guia, passos iniciais se você quer começar 2022 com outra mentalidade. Claro que todo sucesso depende também do trabalho. Mas é possível repensar o modelo financeiro da sua vida.