Investir em criptomoedas é o caminho para 2022? Saiba mais

criptomoedas

De incertos a um dos mercados mais promissores de 2022. Esse é o cenário das criptomoedas. Nos últimos meses, esse modelo de investimento registrou crescimento vertiginoso, atraindo cada vez mais investidores – no Brasil e no mundo – e tem figurado com destaque na cartela de recomendações de especialistas e corretoras.

Se você observou as projeções, leu notícias e se interessou pelo ambiente, este artigo tem a missão de esclarecer todas as suas dúvidas sobre as criptomoedas. Desde como ela foi criada a como é seu funcionamento na prática, além de estimativas de analistas sobre o panorama para 2022.

O que é criptomoeda

A criptomoeda é um tipo de dinheiro, da mesma forma como conhecemos atualmente, mas em formato exclusivamente digital. Outra diferença grande na comparação com as outras moedas: ela não é emitida por nenhum governo, como acontece com o Real, o Dólar ou o Euro, por exemplo.

Seu termo apareceu pela primeira vez em estudos de 1998 feitos por Wei Dai, um cientista da computação chinês que vislumbrou ser possível criptografar transações financeiras sem a necessidade de emissão tradicional de moeda. Na concepção de Dai, a criação da criptomoeda dispensaria a necessidade de autoridade central monetária – no Brasil, o Banco Central – e seria tão disruptivo quanto o e-mail foi para a era dos correios.

A partir do aperfeiçoamento das criptomoedas e de seus sistemas de segurança, o mercado identificou uma nova modalidade de investimento. Assim como as moedas tradicionais, o que gera rentabilidade em suas negociações é a oferta e a demanda. E elas podem sofrer do mesmo problema que as transações em moeda: a volatilidade.

Criptomoedas: um mercado de trilhões de dólares

Fato é que o investimento em criptomoedas tem se consolidado no Brasil e no mundo após um período de altos e baixos. Para se ter uma ideia do tamanho da modalidade de aporte atualmente, em novembro, o site CoinGecko mostrou que o mercado de criptomoedas ultrapassou a casa dos US$ 3 trilhões. Sim, você leu direito: são TRÊS TRILHÕES DE DÓLARES.

O movimento de onda a favor das criptomoedas acontece porque muitos de seus investidores acreditam que ela está blindada contra altas inflacionárias. Esse movimento de acréscimo das taxas de inflação acontece no mundo todo, não só no Brasil, o que tem preocupado quem aposta no mercado de investimentos. Além disso, há expansão crescente no número de fundos que lidam com a moeda digital, novos níveis de segurança têm sido instalados e personalidades emprestam sua imagem para defender esse método de investimento.

No Brasil, a modalidade explodiu. Em 2020, 30 mil investidores apostavam em criptomoedas ou fundos de índice que regulam a moeda. Em 2021, 325 mil, uma alta de 938%. Os dados são da Hashdex, maior gestora de criptomoedas do país, com base em dados da B3 e da CVM (Comissão de Valores Mobiliários). 

Todos esses números mostram que o cenário é realmente promissor para o investidor de criptomoedas. Mas, assim como em todo tipo de investimento, é preciso ficar atento aos humores do mercado. Desde a primeira metade dos anos 2010, quando a criptomoeda ganhou corpo como investimento, ela registra períodos de altos e baixos. Especialistas, entretanto, apostam que 2022 será um ano de fartura para as criptomoedas.

Quer saber mais sobre investimentos? Confira o conteúdo do Velotax!

Os modelos de criptomoedas

Um erro comum de quem se depara com esse assunto pela primeira vez é achar que Bitcoins e criptomoedas são sinônimos. Não são. Os Bitcoins são um tipo de criptomoeda, e são os mais famosos do mundo.


Bitcoin

bitcoin criptomoeda

O Bitcoin foi criado em 2008, em meio à crise financeira global, com a expectativa de criar uma barreira de proteção ao dinheiro, fugindo de incertezas que podem abater o dinheiro de papel. Também tinha como meta eliminar os bancos como intermediários – vale lembrar que a crise de 2008 teve início com a quebra do Lehman Brothers nos Estados Unidos por causa da emissão desenfreada de empréstimos hipotecários.

O Bitcoin se popularizou na segunda metade dos anos 2010. O ápice de seu valor foi registrado em novembro de 2021, quando o Bitcoin era negociado a US$ 69 mil. Fechou o ano negociado a menos de US$ 50 mil, porém, registrou aumento de cerca de 60% ao longo de 2021.

Embora o Bitcoin seja o mais popular, não é o único modelo de criptomoeda.

Ethereum

O Ethereum é a segunda mais popular moeda digital do mundo e, assim como o Bitcoin, vem registrado alta em seu valor de mercado. Em 2021, por exemplo, a escalada de preço do Ethereum chamou atenção do mercado: 450%.

Essa moeda digital surgiu em 2016, com o nome de Ether. Mudou sua nomenclatura logo depois de ter sido alvo de um ataque hacker, que encontrou falha no sistema de segurança. Desde esse episódio, o Ethereum investe pesadamente em camadas de segurança, e reconquistando a confiança dos investidores.

Bitcoin cash

É uma variação do Bitcoin original. A ideia de seus desenvolvedores era aperfeiçoar o primeiro modelo que, embora popular, é considerado lento por alguns no processamento dos investimentos.

Há ainda série de criptomoedas, como Tether, Ripple, Litecoin, Solana, Polkadot, Avalanche, Axie Infinity. 

Especialistas aconselham que você comece pelos investimentos nas criptomoedas mais conhecidas, como Bitcoin e Ethereum. Isso porque embora todas elas tenham traços de semelhança na operação, elas contam com detalhes diferentes que influenciam na rentabilidade da sua moeda digital.

Como investir em criptomoedas

Há formas distintas de investir em criptomoedas. A mais simples é a de compra de cotas de fundo de criptomoedas, bem semelhante com outros tipos de investimentos. Nesse caso, você adquire uma parte de um fundo, o que permite o investimento de baixo valor. Esse é um modelo bastante utilizado para quem deseja entrar no mercado de moedas digitais, mas não sente confiança em fazer isso sozinho, dada a complexidade de série de transações que as criptomoedas possuem.

Outra modalidade simples é o aporte em ETFs (Exchange Traded Funds), fundo de investimento negociado na Bolsa de Valores, como uma ação. HASH11, QBTC11, QETH11 e DEFI11 são alguns dos ETFs focados em criptomoedas listados na B3.

Você ainda pode apostar em uma transação direta com a corretora, chamadas de exchanges. São casas especializadas em negociações de criptomoedas. Também facilita se você quer entrar no cenário das moedas digitais com alguma companhia que ofereça segurança para seus investimentos.

 

Vantagens e riscos de investir em criptomoedas

Como em todo modelo de investimento, as criptomoedas oferecerem benefícios e riscos para quem decide aportar seu dinheiro em moedas digitais.

Vale lembrar que, via de regra, criptomoedas não têm uma entidade central de controle; além disso, não é possível emitir criptomoedas a qualquer minuto – o que significa dizer que, no longo prazo, esse ativos tendem a subir de valor, protegendo o patrimônio de forma semelhante ao ouro, apesar da potencial grande volatilidade no curto prazo.

A transparência é um terceiro item de benefícios. Ninguém pode controlar ou manipular o protocolo da moeda digital porque ele é criptografado. Assim, seu investimento passa a ser neutro, transparente e previsível.

Mas nem tudo são flores no mercado de criptomoedas.

Para começar, é preciso estudar e MUITO este setor. Muitos ativos digitais novos são projetos que podem desaparecer. Além disso, há o risco de fraudes com os chamados “scams” – algo como uma criptomoeda fantasma com o intuito de dar golpes.

A volatilidade do setor é algo que ainda afugenta investidores. Desde sua criação, as criptomoedas registraram altas e baixas de alto grau, ou seja, oscilam mais do que investimentos tradicionais. Pode ser algo positivo se essa oscilação for para cima. Mas se for para baixo? Como é um mercado que tem atraído cada vez mais gente, corre o risco de desvalorização da moeda digital ao longo do tempo, embora especialistas acreditem que essa curva descendente ainda esteja longe de se concretizar.

O ambiente digital traz suas facilidades, porém, pode pregar algumas peças. É preciso sempre estar atento à sua carteira digital porque há risco de os usuários apagarem ou perderem seus investimentos. Uma vez que isso acontece, o dinheiro também desaparece. E, embora o modelo tem passado por séries de aperfeiçoamento na questão de segurança, ser alvo de um ataque hacker é uma possibilidade.

Dicas para seus investimentos em criptomoedas

Como em todo modelo de investimentos, a grande arma que você pode ter em mãos é a informação. Conhecer o mercado, conversar com outros investidores, mapear tendências de alta e de queda e saber quando apostar em um movimento de risco elevado são a chave para seu sucesso no campo das moedas digitais.

E como falamos em um tipo de investimento relativamente novo, em ambiente digital, estudar nunca é demais. Até porque é um cenário com muitos detalhes diferentes, ainda em transformação.

Atenção redobrada com a segurança de seus ativos digitais é um mantra que você precisa ter se decidir apostar em criptomoedas. Embora as empresas tenham buscado cada vez mais métodos de impedir invasões, às vezes a ameaça está perto, em algo que você jamais imagina.

Por exemplo, você recebe um e-mail com uma proposta imperdível no mercado de criptomoedas. Você decide acessar e clica. Pode estar caindo na armadilha de um e-mail phishing, que apresentam algum botão para clicar ou links para download. Seu computador pode ser infectado com vírus e deixar exposto todo seu sistema de investimentos em criptomoedas. Portanto, na dúvida sobre o remetente ou segurança do e-mail, não clique.

Nessa mesma área é comum investidores em criptomoedas receber e-mails com promoções e sorteios. Algumas empresas até utilizaram dessa ferramenta para fomentar a participação de cotistas, mas dado o alto número de golpes, essa estratégia tem ficado no passado.

Essa outra dica vale para qualquer forma de investimento: jamais aporte todo seu dinheiro em uma só raia de ações. Testar o retorno financeiro é algo essencial, demanda paciência, mas será um passo importante para que você se consolide no mundo dos investimentos, inclusive os de moeda digital.

Por fim, se você for novato nesse mundo, procure sempre empresas e especialistas com nome no mercado. Já dissemos anteriormente que o investimento em criptomoeda é relativamente novo, em transformações e com suas peculiaridades. Portanto, escolher uma corretora, sempre vá naquela que apresente um certificado de autenticidade das transações e que tenha cartela de clientes satisfeitos.

O mesmo vale para um especialista de confiança. Se você decidir contratar esse profissional para auxiliá-lo, é importante saber do passado profissional dele, conversar com outros clientes dele, para saber se você poderá depositar sua confiança em seu trabalho. 

Você sabia que o Velotax se integra com as principais exchanges e faz as contas de forma automática, gratuitamente? Clique aqui e confira!